Um tour pelo campus da Universidade de Harvard

Talvez a mais famosa e conceituada universidade dos Estados Unidos, Harvard tem seu campus aberto para visitação. Apesar de estar localizada em Cambridge, cidade pertencente ao Estado de Massachusetts que fica na região metropolitana de Boston, um tour pela universidade deve ser incluído em um roteiro de quem visita Boston.

Harvard é a mais antiga universidade dos Estados Unidos, fundada em 1636 em Cambridge, Massachussets. Saindo de Boston, a forma mais fácil de se chegar ao campus da universidade é usando a linha vermelha do metrô (T), saltando na estação Harvard Square. Eu optei por fazer um tour guiado por estudantes da própria universidade, mas o campus está aberto para visitações individuais. O que achei interessante em fazer esse tour, foi a possibilidade de ficar por dentro de algumas curiosidades sobre Harvard.

harvard square

O tour é gratuito e começa no Harvard Information Center na Dunster Street, normalmente de hora em hora, porém é preciso agendar com uma hora de antecedência para garantir vaga. Nossa guia foi uma aluna coreana que, na parada inicial, contou mais detalhes sobre a fundação de Harvard, que inicialmente era chamada de New College e ganhou seu nome icônico três anos após a fundação em uma homenagem a John Harvard, um de seus primeiros benfeitores. Originalmente, foi uma instituição de ensino apenas para homens até a Segunda Guerra. Como nesse período muitos alunos se alistaram, a universidade passou a aceitar mulheres, tornando metade de seus dormitórios para elas.

Durante a caminhada pelo bem cuidado campus, passamos pelo Harvard Hall, primeira biblioteca formada pela doação de mais de 400 livros feita por John Harvard, e pelo Massachusetts Hall, um prédio de dois andares de dormitórios com área para os presidentes da Instituição. Ao lado está o Johnston Gate, que segundo a lenda, o casal que se beijar embaixo do portal, terá amor eterno e se casará.

A segunda parada é no Center Plaza, de frente para o Science Center Building, onde está o primeiro computador, Mark One, construído por Grace Hopper. Um fato interessante é que, em determinada época, o computador passou a não fazer os cálculos de maneira correta, então Grace abriu o computador e descobriu que tinha uma barata lá dentro. Nesse momento, ela pegou o inseto e apontando para os colegas, falou: “I found the bug”, o que acabou gerando a palavra “bug” (inseto) como sinônimo de problema no funcionamento dos computadores.

Outra parada, mas que não conseguimos entrar, é no Memorial Hall, um prédio em homenagem aos alunos que lutaram na Guerra Civil. É ali também que fica o Edimburg Hall, uma área só para calouros, onde eles fazem as três refeições e dormem. O prédio ainda abriga o Sander’s Theatre, onde acontecia as cerimônias de formatura, mas que hoje apenas recebe grandes palestras, já que não cabe mais todos os formandos e suas famílias.

harvard campus

Ainda circulando pelo campus, passamos pela Memorial Church, igreja cujo badalar do sino às 08h30 avisa o horário das orações matutinas. Esta é uma construção originalmente feita em homenagem aos alunos que lutaram nas duas Guerras Mundiais, posteriormente com homenagem estendidas para os que lutaram nas guerras do Vietnã e da Coreia. A igreja fica de frente para uma área aberta, renovada na ocasião dos 300 anos da universidade, que hoje é o espaço usado para as cerimônias de formatura.

Na mesma área está a Widener Memorial Library, a mais famosa das três bibliotecas de Harvard, em homenagem a Harry Widener. O aluno e sua família estavam voltando da Europa no Titanic, porém apenas a mãe conseguiu se salvar. Ela doou dinheiro para a construção da biblioteca em homenagem ao filho, que havia viajado para Europa em busca de livros para o campus. Hoje é um prédio tombado e possui uma réplica do canto de estudo de Harry, onde flores frescas são colocadas todos os dias.

Nos arredores estão outros prédios que não visitamos, como o Civil Hall (departamento de linguística e idiomas), Robinson Hall (departamento de História) e o Emmerson Hall, onde foi filmado “Love Story”. Aliás, esse foi o último filme de Hollywood filmado no campus da universidade, gerando uma proibição para outras gravações. Isso porque o diretor do filme, Arthur Hiller, na época das filmagens julgou os alunos muito hippies e por isso, contratou figurantes, isolando a área e impedindo que os alunos conseguissem entrar para as suas aulas. Para que isso não se repetisse, uma lei impede novas filmagens, de forma que todos os filmes “passados” em Harvard, na verdade são filmados em outros campus.

A última parada é em frente à estátua de John Harvard, que na verdade, dizem não ser ele, já que todas suas fotos foram queimadas em um incêndio na primeira biblioteca. Esse é um dos motivos pelos quais a estátua é conhecida também como “Estátua das Três Mentiras”. As outras duas mentiras é que John não foi o fundador da universidade e que a instituição não foi fundada em 1638, mas dois anos antes. De qualquer forma, todos se juntam à estátua para passar a mão em seus sapatos, já que segundo a lenda, traz sorte.

harvard church library

Harvard soma mais de 323 mil alunos diplomados, entre eles oito presidentes americanos – John Kennedy, George W. Bush e Barack Obama são os mais recentes –, importantes intelectuais, cientistas, líderes políticos, príncipes e celebridades como Natalie Portman e T.S. Eliot. Do total de estudantes formados em Harvard, cerca de 52 mil são estrangeiros vindos de mais de 200 países, incluindo brasileiros. Por sua importância, vale a pena visitar esse ícone americano.

Nossa viagem a Boston contou com apoio do Mandarin Oriental, Boston, que nos recebeu na cidade. Estivemos conectados através do chip de celular Mysimtravel, durante todos os dias na cidade. Compre seu chip pelo link e já saia do Brasil com ele em mãos para se manter conectado em diversos destinos pelo mundo.