Turismo no Centro do Rio baseado nas estações do VLT

Em operação no Rio desde junho de 2016, o VLT Carioca – Veículo Leve sobre Trilhos – chegou ao Centro do Rio com a missão de agilizar os deslocamentos de quem chega à região. Com o passar do tempo, o sistema de transporte se tornou um facilitador para quem está conhecendo a região. Por isso, elaboramos um roteiro com as principais atrações turísticas do centro do Rio baseado nas estações do VLT.

As estações do VLT se dividem por duas linhas em operação, algumas delas desempenhando importantes conexões para quem vem à cidade. Central do Brasil, Rodoviária Novo Rio, Aeroporto Santos Dumont e o terminal de cruzeiros são pontos de chegada que ganharam uma alternativa de deslocamento mais ágil e integrada. Quem está visitando a cidade pode se localizar facilmente com a sinalização nas paradas e estações do VLT. Ela conta hoje com um mapa turístico em cada ponto de embarque, mostrando atrações culturais e serviços essenciais nos arredores.

São mais de 70 pontos turísticos, como museus, teatros, centros culturais e prédios históricos, no entorno das duas linhas em operação. Saindo da estação Santos Dumont no sentido Rodoviária, passamos pela estação Antônio Carlos e nos arredores está a Maison de France, que apresenta programação cultural interessante em seu teatro e cinema e a Academia Brasileira de Letras.

arcos da lapaNa próxima estação, Cinelândia, o visitante poderá conhecer o Museu Nacional de Belas Artes, Centro Cultural da Justiça Federal, Biblioteca Nacional, entre os pontos culturais que são abertos à visitação, além dos clássicos Theatro Municipal, Cine Odeon e Teatro Rival. Caminhando um pouco mais, se chega aos Arcos da Lapa, onde você poderá aproveitar para conhecer algumas atrações que destacamos em nosso roteiro pela Lapa.

Nas estações Carioca e Sete de Setembro as principais atrações são as igrejas, entre elas: Igreja Nossa Senhora do Porto, Igreja Nossa Senhora do Carmo e Igreja São de José. Em conexão com a Sete de Setembro, pela Linha 2, está a estação Colombo, a poucos passos da tradicional Confeitaria Colombo, local perfeito para um chá da tarde, e outras duas confeitarias famosas do centro, a Casa Cavé e a Confeitaria Manon. Seguindo pela Linha 2, saltando na estação Tiradentes, vale visitar o Real Gabinete Português de Leitura ou conferir alguma peça em cartaz no Teatro Carlos Gomes e Teatro João Caetano. Para fazer umas comprinhas, salte na Saara.

Voltando à linha 1, na Parada dos Museus o visitante tem acesso à revitalizada Praça Mauá, onde estão o Museu do Amanhã e o Museu de Arte do Rio (MAR), além da Igreja de São Francisco da Prainha. Já na Parada dos Navios está o Pier Mauá, de onde saem os principais cruzeiros que aportam no Rio de Janeiro. Saindo nessa estação também podemos fazer fotos no Mural Etnias, feito pelo artista Kobra, representando as diferentes etnias da América; o Cais e Jardim Suspenso do Valongo, Cais da Imperatriz e a Pedra do Sal, reduto do samba no centro do Rio. Mais adiante, a estação Utopia/AquaRio está ao lado do Aquário Marinho do Rio de Janeiro – AquaRio e o Armazém Utopia, onde acontece diversas festas e eventos gastronômicos.

parada dos museus e aquario

Além da estação Santos Dumont que é ponto para quem vai ao Aeroporto Santos Dumont, outras estações são essenciais para o deslocamento dos visitantes. A estação Central faz conexão com diversos meios de transporte público como trem, metrô e ônibus que ligam o centro do Rio a outros municípios vizinhos. Na estação Rodoviária, além de chegar à Rodoviária Novo Rio, principal rodoviária da cidade, o visitante também pode visitar a Fábrica Bhering, instalada desde os anos 1930 no bairro da Gamboa, que desde 2010, tornou-se um importante polo de produção de arte e cultura. Quem pretende conhecer Niterói ou a Ilha de Paquetá, deve sair na estação Praça XV, de onde saem as barcas. Uma vez por ali, aproveite para conhecer o Paço Imperial, Arco do Teles, Palácio Tiradentes, Museu Naval e quem sabe, esticar uma visita à Ilha Fiscal, local onde aconteceu o último baile da corte portuguesa no Brasil.

Algumas outras estações permitem acesso a outros pontos e atrações da cidade, mas neste roteiro incluímos as principais. Para utilizar o VLT, o passageiro deve ter o cartão de passagem em mãos, se dirigir a uma das paradas e aguardar a chegada do veículo. O serviço de compra e recarga de passagem ganhou melhorias, com máquinas de autoatendimento trilíngues (português/inglês/espanhol) que facilitam a compreensão do turista. Se tiver dicas de atrações interessantes no trajeto do VLT, deixe-as nos comentários que incluiremos na matéria.